quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

OU TEMER MUDA OU SERÁ TRAGADO PELA INDECISÃO

Carlos  Chagas

Eliseu Padilha é a bola da vez. Menos por suas atividades agrícolas, mais porque estava escrito. Sua passagem pela Casa Civil vinha atrapalhando a performance de Michel Temer. São grandes as possibilidades de Moreira Franco sucedê-lo. Com seis mudanças ministeriais nos primeiros seis meses de governo, o presidente da República luta para livrar-se da instabilidade.

Jamais imaginou chefiar uma administração tranquila, mas errou ao compor um ministério que só lhe trouxe percalços e dificuldades. Não se governa com amigos, principalmente os que vêm sendo catapultados, de Romero Jucá a Geddel Vieira Lima, Henrique Alves e outros.

ALTERNATIVAS – Duas vertentes se abrem para Michel Temer entrar em 2017: assumir o governo sem deixar espaço para condôminos ou continuar influenciado por ministros pouco confiáveis.

Há mouros na costa, à espera de que Michel Temer fracasse, ou seja, que o Tribunal Superior Eleitoral decida afastar o presidente da República por conta de malfeitos na campanha eleitoral de 2014, junto com Dilma Rousseff, que não pode mais ser afastada por que já foi.

FHC DE OLHO – Fernando Henrique Cardoso bem que gostaria de ser escolhido pelo Congresso para completar o atual mandato. Nelson Jobim, também.  Este, de olho na reeleição. Aquele, apenas para fechar uma inusitada biografia complementar.

Cabe ao atual presidente decidir se continua ou se cederá às imposições da própria hesitação. Nenhuma hora mais propícia do que a passagem do ano para reformular por completo o Ministério. Ou muda ou será tragado pela indecisão. A crise é grande, mas nem de longe capaz de impedir-lhe debelá-la, se houver disposição.

Fonte: Tribuna da Internet

Nenhum comentário:

Postar um comentário