segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

POR ENQUANTO, NENHUM TUCANO CONSEGUIU VOAR

Carlos Chagas

Causou confusão no ninho a prorrogação, até maio de 2018, do mandato de Aécio Neves na  presidência do PSDB. O governador Geraldo Alckmin estrilou e até ameaça trocar de partido, certo de que continuando a dirigir os tucanos, o senador mineiro será beneficiado como candidato presidencial daqui a dois anos. Os partidários de Aécio contraditam, indagando se Alckmin estaria disposto a renunciar ao governo de São Paulo como compensação a um malogrado afastamento dele da presidência da legenda.

Assim, deflagra-se mais um capítulo da disputa que também envolve José Serra, que os dois candidatos pretendem seduzir oferecendo-lhe a candidatura ao governo paulista. O problema é que o atual ministro das Relações Exteriores também trabalha pelo palácio do Planalto.

Por enquanto são frágeis as estruturas das pontes da trinca no rumo do poder, até porque parecem pinguelas, diante das pretensões de Fernando Henrique. O ex-presidente não abre mão de candidatar-se, apesar dos 85 anos de idade, mas raciocina com um mandato-tampão, caso o Tribunal Superior Eleitoral decida afastar Michel Temer e ensejar a imediata ascensão do sociólogo.

PLANOS DE VOO – Fica assim conturbado o ambiente no aeroporto da esquadrilha tucana, com quatro planos de voo conflitantes, mas nenhum motor realmente funcionando. Até porque, as pesquisas não indicam perspectivas favoráveis para nenhum dos quatro. Ainda mais porque as delações da Odebrecht estão voando baixo e poderão bombardear qualquer um deles.

Apesar de os conciliadores apostarem que só 2018 será o ano das definições, tudo indica que de 2017 não passará. Três precisarão refugiar-se no hangar e apenas um disporá de condições para ganhar o céu.

O novo ano começará com outros aparelhos tentando taxiar na pista, de Lula a Ciro Gomes, Marina Silva, Ronaldo Caiado, Jair Bolsonaro, Álvaro Dias, Henrique Meirelles, Joaquim Barbosa e mesmo Sérgio Moro. Difícil saber qual deles pilotará um Boeing ou um teco-teco. Ou quantos serão abatidos ainda na cabeceira da pista.

Fonte: Tribuna da Internet

Nenhum comentário:

Postar um comentário