sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

PROMESSAS ELEITORAIS

Políticos precisam estudar um pouco os assuntos antes de fazer promessas
Hélio Schwartsman

Se alguns políticos já entraram na era da pós-verdade, sendo capazes de criar para si universos paralelos imunes a evidências que contradigam suas ideias, boa parte das pessoas comuns ainda vive sob o paradigma clássico e fica brava quando candidatos eleitos descumprem suas promessas.

É fato que, nessa matéria, o mundo não é igualitário. Alguns políticos parecem ter licença especial para dizer qualquer coisa e não serem cobrados por isso. Donald Trump é o caso mais evidente. Lula também contava com uma tolerância que não é dada a qualquer dirigente. Já Dilma pagou caro por seu estelionato eleitoral.

De todo modo, Trumps e Lulas parecem ser exceções. Assim, políticos que ainda não perderam inteiramente o contato com o mundo circundante se desdobram para tentar cumprir suas promessas, mesmo que às vezes recorrendo à contabilidade criativa e a outros truques discutíveis.

EXEMPLO DE DÓRIA – O prefeito eleito de São Paulo, João Doria, é um bom exemplo. No calor da campanha ele fez promessas das quais agora provavelmente se arrepende. A mais “pop” foi a de reverter a redução da velocidade máxima nas marginais. Bastou, porém, que conversasse com especialistas para descobrir que o limite mais baixo é uma medida importante, que não apenas salva vidas como ainda melhora a fluidez do tráfego.

Doria tenta resolver o dilema mantendo a velocidade menor só na faixa da direita das pistas locais, onde se concentram os acidentes. Mas é uma aposta arriscada que ainda cria problemas para a fiscalização.

Mais complicado é o compromisso de não aumentar a tarifa de ônibus. Aqui, o impacto de mantê-lo fica na casa dos R$ 3 bilhões anuais. Pior, não dá para recorrer a nenhum sortilégio hermenêutico. Ou a tarifa aumenta, ou não aumenta.

Minha sugestão é que, enquanto a era da pós-verdade não for oficializada, políticos estudem um pouco os assuntos antes de fazer promessas.

Fonte: Folha de S. Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário