domingo, 4 de dezembro de 2016

REFLEXÕES SOBRE A LAVA-JATO (1)

A operação Lava-Jato está deixando muita gente sem dormir. Outras mais ficarão depois que forem revelados os termos da delação premiada da empreiteira mór. 

Mas outro grupo ainda dorme. Vejamos:

Quem toca a máquina pública é o segundo e o terceiro escalão, composto quase sempre de servidores concursados.

São esses servidores que conhecem o caminho das pedras, mas acima de tudo, sabem distinguir o legal do ilegal.

Nenhuma autoridade de primeiro escalão, detentor de mandato eletivo ou não, poderia ter cometido as infrações que vêm sendo reveladas dia após dia, sem o concurso, sem a aquiescência dos componentes das escalas inferiores da administração pública. 

Servidores públicos concursados gozam da estabilidade funcional, uma espécie de blindagem que os autoriza a descumprir ordens superiores contrárias à lei, sem o temor de represálias.

Então, como explicar todas as falcatruas agora reveladas?

Na maioria dos casos houve a conivência de quem tudo sabia acerca do certo e do errado. E quem assim agiu é tão infrator quanto aqueles que no momento estão na vitrine.

Portanto, Lava-Jato neles para que também sofram de insônia e ulteriores consequências.

Nenhum comentário:

Postar um comentário