domingo, 11 de dezembro de 2016

REFLEXÕES SOBRE A LAVA-JATO (2)

O noticiário policial, vez por outra, divulga operações semelhantes às da Lava-Jato realizadas em diversos pontos do país. 

Será um efeito dominó? 

A corrupção sempre existiu. Já o combate a ela, nem sempre ou quase nunca. 

Com todos os holofotes voltados para a "República de Curitiba", parece que outras regiões desejam o mesmo tratamento. Tudo bem, mesmo que por vias transversas.

Mas cabem algumas indagações: 

A administração pública conta com órgãos fiscalizadores. As empresas públicas contam com órgãos de controle interno e com auditorias externas. Pois bem: antes da Lava-Jato, o que viam e detectavam os responsáveis por ditos órgãos?

Parece que os escândalos até agora conhecidos, têm na origem um "desacordo comercial". Exemplos não faltam. Cabe apenas lembrar as denúncias do então deputado Roberto Jefferson, que deram origem ao Mensalão. 

Com raras exceções, as notícias dão conta de ações jurídico-policiais no âmbito da administração federal. E nas esferas estaduais e municipais estará tudo em ordem? 

Na Batalha do Riachuelo, ao ver a esquadra brasileira ser surpreendida pelo inimigo, o Almirante Barroso exortou seus comandados: "O Brasil espera que cada um cumpra o seu dever".

É disso que o Brasil precisa em primeiríssimo lugar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário