terça-feira, 25 de abril de 2017

EMPRESAS EMPURRAM PUBLICIDADE SEM DAR NADA EM TROCA

Ronaldo Lemos

Quer gastar o seu tempo de forma construtiva? Então leia o artigo publicado neste mês por Tim Wu na revista "Wired" chamado "A Crise do Roubo de Atenção". O título é autoexplicativo. Nele Wu -que é professor na Universidade Columbia- constata que estamos vivendo um verdadeiro "arrastão" contra uma das nossas principais habilidades: a capacidade de nos concentrarmos.

Hoje pagamos pelo que consumimos de dois jeitos. Podemos pagar com dinheiro ou podemos pagar com nossa atenção. Grande parte dos serviços da internet que utilizamos, como e-mail, redes sociais, aplicativos de mensagens, não é "gratuita". São pagos com nossa atenção. Mesmo os veículos de mídia tradicional, como jornais ou TV, são pagos parte em dinheiro (como assinaturas) e outra parte também com atenção.

O problema é que começa a surgir uma gigantesca indústria criada para "roubar" essa atenção sem dar absolutamente nada em troca. São empresas que, sem ter nenhum tipo de consentimento, empurram publicidade involuntariamente sobre um número cada vez maior de pessoas.

São muitos os exemplos. Algumas cidades brasileiras já têm táxis que exibem vídeos publicitários para todos os passageiros que entram neles. Muitos não têm sequer a opção de desligar a tela. O mesmo acontece com algumas companhias aéreas. Assim que as portas do avião são fechadas, vídeos comerciais que não foram solicitados por ninguém são exibidos. Outro exemplo perverso são academias de ginástica que colocam uma tela de TV com propaganda obrigatória na frente de cada cliente. A tendência espalha-se e já é visível em elevadores, salas de espera, filas etc.

Em todos esses casos alguém ganha dinheiro com esse tipo de anúncio. Além da falta de consentimento, a questão é que nada retorna para quem teve sua atenção roubada. Passagens de avião, corridas de táxi ou academia não ficarão mais baratas. Nem filas nem elevadores ficarão mais rápidos ou confortáveis.

Tim Wu lembra que a atenção é um recurso escasso e, por essa razão, cada vez mais valioso. Cada pessoa tem um capital limitado de atenção para gastar. Além disso, a expansão da publicidade não consensual eleva os níveis gerais de estresse, contribui para aumentar a sobrecarga de informação e afeta em última análise a saúde mental coletiva (há preocupação com os efeitos especialmente sobre crianças e jovens).

O que fazer? Wu vai direto ao ponto. Ele defende que as cidades regulamentem esse tipo de mídia invasiva, não consentida. Da mesma forma como foram regulados os "outdoors" no passado, as cidades têm capacidade de criar espaços em que a publicidade não consentida é regulamentada. Em um futuro em que a publicidade digital tende a tomar conta dos espaços públicos, cidades que caminharem nesse sentido podem se tornar oásis do livre arbítrio informacional. 

Fonte: Folha de S. Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário