terça-feira, 19 de setembro de 2017

ROMANCE FORENSE

Charge de Gerson Kauer
O advogado “baitaca ” e o oficial “embretado ” 

Embora desconhecidas em mais de duas dezenas de Estados brasileiros, expressões como "malino”, “tramposo” e “baitaca” têm, no Rio Grande do Sul, conotação ofensiva.

Ante a demora na citação da parte ré, o advogado do autor peticionou: “o servidor não age com diligência no cumprimento do mandado”. Sentindo-se chamado de “relapso” - embora essa expressão não constasse na petição – o oficial lançou textualmente uma longa “certidão gaudéria”. Em duas das muitas estrofes, ele foi contundente:

“Sempre aprendi na vida e pelos sulcos dos caminhos
Que todo aquele afobadinho, que mete o nariz
Em coisa ou área que não lhe condiz,
Se dá mal e fica a pé no relento,
À mercê de sol, frio, chuva ou vento.

E o falado ‘troco’ chega sem tardança.
O que importa é que a verdade sempre impera,
Mas, infelizmente, o mundo está cheio destes cueras
Com maneios e cara de vaca mansa.”

A OAB concedeu desagravo ao advogado. O oficial teve uma advertência em sua ficha funcional. E uma ação ordinária foi ajuizada contra o Estado.

A sentença reconheceu que “o uso das malsinadas expressões - por um oficial de justiça, em uma certidão – é indevido”. E o acórdão admitiu “não ser preciso conhecimento de versos e conotações gauchescas para entender o cunho de ofender diretamente o profissional”. A indenização foi pífia (R$ 5 mil + 15% de sucumbência ) e vai entrar agora na demorada fase da requisição de pequeno valor

Segundo a ´rádio-corredor´ forense, o servidor ficou conhecido na comarca como “o oficial embretado”.

Fonte: www.espacovital.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário