domingo, 1 de outubro de 2017

QUEDA DE TEMER NA OPINIÃO PÚBLICA


Charge do Clayton
Ibope revela queda progressiva de Michel Temer na opinião pública
Pedro do Coutto

Em pesquisa encomendada pela Confederação Nacional da Indústria, reportagem de Eduardo Barreto, O Globo desta sexta-feira, o Ibope revela que o governo Michel Temer bateu o recorde de rejeição junto à opinião pública numa escala de 77% contra apenas uma aprovação de 3 pontos. O fato é espantoso, sobretudo porque ele assinala uma rejeição crescente ao presidente da República e ao seu desempenho à frente do Poder Executivo.

Comparando-se o resultado de pesquisa semelhante realizada a 27 de julho verifica-se um crescimento na escala de 7%. Mas não é só. A percentagem de 59% acentua que a maioria da população considera a administração Temer pior que a da ex-presidente Dilma Rousseff.

INSATISFAÇÃO RECORDE – Portanto não se trata apenas de uma insatisfação referente somente ao atual governo. Mas sim uma rejeição comparativa a um governo, o de Dilma Rousseff, que até ontem era considerado o pior dos últimos tempos. Agora o título de pior dos últimos tempos foi transferido para Michel Temer.

O Estado de São Paulo e o Valor, também nas edições de sexta-feira, publicaram o resultado da pesquisa. Os números publicados ontem coincidem com os da pesquisa da MDA divulgada no início da semana e realizada por iniciativa da Confederação Nacional dos Transportes.

Os números convergem e se confirmam entre si. A situação do Palácio do Planalto é das piores dos últimos tempos. Tempestade à vista principalmente numa fase que antecede a apreciação da segunda denúncia contra o Presidente da República aceita pelo STF e encaminhada a uma nova apreciação por parte da Câmara dos Deputados.

DESGASTE MAIOR – O Presidente Michel Temer passa assim a ter mais motivos para se preocupar, embora dificilmente as oposições alcançarão a maioria de 342 votos para submetê-lo ao julgamento da Corte Suprema. Difícil, porém desgastante para a imagem do Executivo junto à opinião pública brasileira.

A tempestade desta feita atinge também os Ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco. Tem-se a impressão de que se dependesse do STF, os três personagens seriam levados a julgamento.

Por falar em julgamento o Supremo deverá apreciar na próxima quarta-feira o recurso do Senador  Aécio Neves contra a decisão da primeira turma que, por 3 votos a 2 o afastou do exercício do mandato. Na minha impressão o Senado não vai votar matéria contra o STF e sim esperar pela decisão da Corte sobre o recurso do senador.

SEM REVISÃO – Dentro desse panorama devemos admitir que o Supremo dificilmente poderá rever, no Plenário de seus 11 ministros, a decisão dos cinco integrantes na Primeira Turma.

Isso porque qualquer revisão por parte do STF refletiria negativamente em sua imagem institucional. Poderia parecer medo de que o Senado votasse uma resolução anulando o julgamento preliminar.

Nesta altura dos acontecimentos, em plena tempestade, o mais lógico é que o medo se limite aos ocupantes do Palácio do Planalto.

Fonte: Tribuna da Internet

Nenhum comentário:

Postar um comentário