terça-feira, 10 de outubro de 2017

ROMANCE FORENSE

“Papai Noel” visita a sede da OAB 
(Adaptado a partir de um conto de Rafael Berthold, advogado, OAB-RS nº 62.120)

O presidente da OAB chega à instituição. Ele ainda se acomoda quando a secretária adentra ruborizada.

– Doutor, aguarda-o na recepção um senhor de paletó e gorro vermelhos, camisa social verde, gravata cinza clara... Tem jeito de advogado, mas diz ser o Papai Noel.

O dirigente atalha:

– Diga a ele que, no momento, não temos nenhum projeto social que necessite de imitadores de Papai Noel.

– Não, doutor! Ele insiste que é o próprio Papai Noel. E alega ter um assunto oficial para tratar com a OAB!

O presidente contrafeito acede:

- Diga que entre!

Noel acessa o gabinete, já desferindo o primeiro ataque:

– Vocês, advogados, vão acabar com o Natal!...

O presidente começa a sorrir – pensando ser um 1º de abril extemporâneo - e já se prepara para retrucar, quando o pretenso impostor abre um saco e exibe uma imensa e organizada lista, com os pedidos resumidos.

– Eu já atendo solicitações de todas as crianças do mundo! Mas a lista dos advogados, este ano, contém pedidos difíceis de atender e que não são da minha alçada.

O chefe da Ordem, então, lê a lista e encontra pedidos como: “Melhores honorários sucumbenciais; conciliadores não sendo postos a presidir audiências de instrução e julgamento; juízes não se recusando a receber advogados; agilidade na prestação jurisdicional; sentenças proferidas com brevidade; estagiários sendo só estagiários; desembargadores presentes no tribunal de segunda a sexta, dois turnos; pagamento dos precatórios”.

A lista segue nesta linha. Mas o presidente da OAB - advogado espirituoso que é – aproveita para apoiar as reivindicações da classe:

– Eu até incluiria, nessa lista, que o Supremo fuja da tentação de legislar... E penso que se o senhor, Doutor Noel, atendesse a todos os pedidos, os advogados certamente parariam de importuná-lo...

– Creio que sim, mas os senhores estão me confundindo: eu não sou Deus, sou Papai Noel. Eu trago presentes do Polo Norte em meu grande saco. Mas é impossível colocar todas essas situações forenses em meu saco.

A conversa termina amena, o pretenso Noel toma um cafezinho, agradece, despede-se e vai embora. Minutos mais tarde o presidente fica sabendo quem era o Noel visitante, de feições depressivas: um advogado jubilado, mentalmente atribulado com os desgostos sofridos com o aperto financeiro em que vive, depois de sua frustrada tentativa de receber incontáveis precatórios que o Estado não lhe paga.

E com um sorriso no rosto, arremata o presidente:

– E eu tenho que concordar com ele. De fato, situações como essas, não há saco que aguente...

Fonte: www.espacovital.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário