domingo, 31 de janeiro de 2021

VARIG, VARIG, VARIG

VARIG, VARIG, VARIG

A viagem de retorno ainda renderia alguns sobressaltos. Nossos bilhetes previam um vôo de Compostela para Madri, via Ibéria. O trecho Madri/São Paulo seria pela Varig. Porém, a Varig já dava sinais de fraqueza. Nosso vôo foi cancelado e nós fomos direcionados para Milão, de onde partiríamos rumo a São Paulo. Com o remanejamento precisamos retirar nossa bagagem e despachá-la novamente. O primeiro pensamento foi no sentido de que o azeite comprado na Espanha poderia ser barrado na hora do reembarque. Durante o procedimento fomos indagados acerca do conteúdo daquelas embalagens. Diante da nossa "confissão", a atendente nos disse que poderíamos despachá-las só porque era a Varig, o que não seria possível por outra companhia. Não cheguei a testemunhar os anos de ouro da Varig. Mesmo assim tive algumas boas experiências. Certa feita, já acomodado na minha poltrona, num vôo Brasília/Curitiba, fui convidado a ocupar um lugar na classe executiva. Preciso explicar que era um trajeto internacional, eis que o destino final era Buenos Aires. Curioso, quis saber o motivo da minha transferência. Com lotação esgotada na classe econômica e assentos vazios na classe executiva, transferindo passageiros portadores do cartão-fidelidade, que era o meu caso, a aeronave poderia acolher mais viajantes. Na mesma oportunidade, testemunhei idêntico convite a um outro passageiro, a quem foi dado o privilégio de ser acomodado na cabine de comando. Mas a facilidade de upgrade para a classe executiva em vôos internacionais para mim era o máximo. Bastava contar com milhas suficientes. Conquanto que houvesse poltrona disponível (não vendida), a solicitação era atendida no ato, sem qualquer tipo de burocracia. Experiência oposta tivemos tempos depois. Em condições dramáticas, embarcamos em Paris pela desagradável TAM. Minha esposa estava com o pé quebrado. Embora alguns assentos vazios na classe executiva, tal comodidade lhe foi negada. Por essas e por outras que até hoje a Varig é cantada em prosa e verso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário