domingo, 7 de março de 2021

PASSE LIVRE

PASSE LIVRE

Novos moradores no bairro não era novidade. Muitas famílias vindas do interior e mesmo de municípios vizinhos se instalavam por lá. Geralmente eram atraídos pela possibilidade de emprego na empresa Eberle, que não ficava muito distante. Era o caso da família do Tóio, oriundos de alguma cidade vizinha.

Tóio, o nosso personagem, era um rapaz com cerca de vinte (20) anos de idade, mas sua idade mental andava pela metade. Gostava muito muito de futebol e acompanhava as notícias dos clubes da capital assim como dos grandes centros. No seu mundo de fantasias, ele se dizia um craque.

Seu sonho era disputar o campeonato varzeano, jogando pelo clube do bairro. A chance nunca chegava. Para tanto, ele deveria apresentar a documentação comprobatória de plenas condições para ser inscrito pelo clube junto à Liga Caxiense de Futebol.

Claro que isto tudo era alimento para o seu mundo de fantasia.

Outras vezes, o engodo era o fato de ele estar fora da melhor forma física, não sendo recomendável participar de qualquer disputa sem estar em condições para tal. De fato, o Tóio era um pouco gordinho para a prática de esportes.

Mas dada à insistência, foi simulada a assinatura de um contrato com o clube e a partir daquela data, ele passou a considerar-se oficialmente como atleta do clube.

As oportunidades para jogar nunca chegavam. Utilizavam-se desculpas de toda ordem.

- Que tal uma estréia numa preliminar com Grêmio ou Inter num confronto contra o o Juventude ou o Flamengo? Já pensou, estádio lotado e talvez uma chance de ser visto pelo treinador de um clube da capital?

E assim, a direção do clube ia levando.

Certo dia, num fim de tarde, o Tóio veio desesperado até a sede do clube. Estava desolado. Sua família estava prestes a voltar para a sua terra natal. Por isto, ele queria que a direção do clube lhe desse o passe livre para poder jogar por algum clube de sua cidade.

Nem todos sabiam da história do Tóio e da assinatura de um contrato com o clube. Enfim, ninguém resolvia o problema do pobre rapaz, até que alguém, mais sagaz, pegou uma folha de papel e escreveu qualquer coisa e o entregou ao Tóio, dizendo-lhe que mediante aquele documento ele estava livre para atuar em qualquer clube.

Ele apanhou o papel, que para ele era um autêntico passe livre, e saiu correndo em direção à sua casa, feliz da vida...

Nenhum comentário:

Postar um comentário