sábado, 4 de julho de 2020

Todos temos força suficiente para agüentar os infortúnios dos outros. (François La Rochefoucauld)

LUGARES

PALERMO - SICÍLIA
Palermo (em siciliano Palermu) é uma comuna italiana, capital da província de Palermo e da Região Siciliana, sendo a maior cidade da ilha da Sicília e é a quinta mais populosa cidade italiana, depois de Roma, Milão, Nápoles e Turim. No ano 734 a.C. os Fenícios vindos de Tiro criaram no local uma comunidade comercial enquanto os Sículos (habitantes mais antigos da ilha) ocupavam a parte oriental da ilha. Entre os séculos VIII e VI a.C. os gregos colonizaram a ilha deram o nome Panormos para a cidade. Continuou sendo cidade fenícia até a primeira guerra púnica (264-241 a.C.) quando a Sicília foi conquistada pelos Romanos. (Wikipédia)

O CASABLANCA DE SEMPRE

O CASABLANCA DE SEMPRE
Fernando Albrecht

Nos idos de 1960, o Dops prendia comunistas e subversivos a toda hora. Como no filme Casablanca, prendiam os suspeitos de sempre. O jornalista João Baptista Aveline era um deles. Qualquer rolo, lá ia ele em cana, contou-me. Era uma figura humana de ponta. O suspeito de sempre.

Certa noite, ele e outros integrantes do Partidão foram presos pelo Dops, a polícia política. Hora do depoimento. O delegado começou com Aveline, seu velho conhecido de tantas prisões. O escrivão botou papel na máquina de escrever, dedos no teclado:

– Nome?

– Não sei – disse o Aveline, marcando bem o “não”.

O delegado suspirou.

– Para com isso, Aveline, eu preciso dos teus dados, nome, nome dos pais, essas coisas para teu depoimento. Diz logo para a gente dormir de uma vez, caramba! De novo: nome?

– Não sei.

– Nome dos pais?

– Não sei.

O policial ficou uma arara, mas não teve jeito. Vinha a pergunta e a resposta era sempre a mesma.

– Aveline, se tu não me diz teus dados e filiação vou ter que encontrar duas testemunhas, até achar, até …meu Deus, te deste conta que vamos sair daqui de madrugada? Me dá teu nome antes que eu te mande pro raio que o parta!

– Nãããão sei.

Alta madrugada e todos presos na burocracia dos depoimentos, o delegado com um beiço que ia do prédio do Dops, na avenida Mauá, até o Cais do Porto, porque perdeu um jantar. E o comunista Aveline ali bem sentadinho, displicente, assobiando ou olhando para o teto. De repente, ficou apertado, precisava urinar. Jogou o corpo para a frente.

– Delegado, onde é mesmo o banheiro que esqueci?

O delegado abriu um largo sorriso.

– Não sei.

Fonte:http://fernandoalbrecht.blog.br

FRASES ILUSTRADAS

sexta-feira, 3 de julho de 2020

O vício inerente ao capitalismo é a distribuição desigual de benesse; o do socialismo é a distribuição por igual das misérias. (Winston Churchill)

LUGARES

BERGEN - NORUEGA

MR. MILES

O incrível país que está encolhendo

Depois de passar quatro ótimos dias na ilha de Malta, conforme anunciado na semana passada ("Trashie sentiu-se revigorada com os ares do Mediterrâneo e voltou a beber como uma profissional"), nosso solerte viajante manda agradecer ao leitor Steve Cachia, um maltês que vive há 25 anos no Brasil e se sentiu feliz ao ver sua nação retratada com alegria por nosso correspondente. Mr. Miles avisa, também, aos leitores que não existem falcões malteses na ilha. Em compensação, confirma que o cão maltês, "aquela irresistível bola de pelos" é mesmo originário de lá - e os registros sobre ele remontam ao século 5º a.C., "of course, sem tosa ou penteados modernos". A seguir, a correspondência da semana:

Sr. Miles: como classificar lugares como Andorra, San Marino, Luxemburgo, Vaticano e outros quetais, já que eles não são territórios ultramarinos? Poderiam ser países? De qualquer forma, são adoráveis… Sergio G. Sequeira, por e-mail

"Well, my friend, no universo das nações, tamanho não é documento. Por essa razão, chamem-se principados, reinos ou repúblicas, há uma quantidade expressiva de very small places que, in fact, são países. Ou seja: possuem administração oficialmente autônoma, bandeira própria e hino nacional. Emitem selos, passaportes e possuem legações estrangeiras. Alguns deles até participam de competições esportivas internacionais, nas quais invariavelmente obtêm, by the way, resultados pífios.

Na minha modesta opinião, fellow, são apenas uma divertida curiosidade e um interessante anacronismo. Conhecer as condições históricas que propiciaram independência a essas 'nanonações' é, em geral, very amazing. Na raiz de cada uma delas - exceto a de ilhas e arquipélagos minúsculos que permaneceram independentes pela via do isolamento -, sempre há razões curiosas. Algum conde que se escondeu atrás da perpétua neutralidade, outro que soube beijar a mão de seus vizinhos com lábios de mel, um terceiro que fez seu feudo fingir-se de morto em algum vale esquecido entre montanhas impenetráveis.

Nowadays, dos seis menores países do mundo, quatro ficam na Europa e dois deles são muito poderosos: Mônaco, a capital dos milionários que don't like to pay taxes, e o Vaticano, sede de uma igreja que, unfortunately, se separou da Church of England em 1534. Os outros são San Marino - uma colina na Itália - e Liechtenstein, entre a Áustria e a Suíça.

Por casualidade, tenho muito mais amigos no principado dos Grimaldi (que, confesso, frequentava mais assiduamente quando Grace Kelly insistia em me convidar) do que nos monastérios do Vaticano, onde outrora ia para praticar meu latim, mas já não encontro interlocutores.

O terceiro menor país do mundo fica na Micronésia, as you know. Nauru é, também, a menor república do mundo. Conheci bem seu ex-presidente, o briguento Ludwig Scotty que, in fact, estava tentando impedir que seu minguado país diminuísse ainda mais. Agora, a tarefa cabe ao novo mandatário, Baron Waqa, a quem ainda não fui apresentado.

O problema do encolhimento do país vem do fato de que, por décadas, a ilhota rica em fosfato vem sendo escavada por mineradoras. De tal forma que o seu pequeno interior se tornou um imenso buraco, obrigando a população a viver em um estreito anel à beira-mar. Se nada mudar, Nauru pode acabar menor que o Vaticano. E, for Christ's sake, não vai adiantar nada reclamar com o bispo!"

Fonte: O Estadão

FRASES ILUSTRADAS

quinta-feira, 2 de julho de 2020

Todos vêem o que pareces, poucos percebem o que és. (Niccolo Maquiavel)

LUGARES

ALTO ADIGE - TRENTINO

NÃO TROPECE NA LÍNGUA





PORCENTAGENS + REFERÊNCIAS EM CARDINAIS OU ORDINAIS

É opcional dizer percentagem (do latim per centum) ou porcentagem (em razão da locução por cento), assim como percentual ouporcentual. Com as expressões que indicam percentagens o verbo pode ficar no plural ou no singular, conforme o caso, já que a concordância pode ser feita com o número percentual ou com o substantivo a que ele se refere:

  • No seu Estado, 75% da população ganha menos de dois salários mínimos. [concorda com população] / No seu Estado, 75% da população ganham menos de dois salários mínimos. [concorda com 75%]
  • Somente 1% dos candidatos consegue passar nos exames. [concorda com 1%] / Somente 1% dos candidatos conseguempassar nos exames. [concorda com candidatos]
  • Oitenta e três por cento dos inscritos votaram. [concorda com percentual e substantivo no plural]
  • Segundo o IBGE, 90% das mulheres pesquisadas aceitam sua situação. [idem: como percentual e substantivo estão no plural, não existe a opção de verbo no singular]

A orientação mais moderna é fazer a concordância com o substantivo próximo, ou seja, usar o verbo no singular quando o substantivo está no singular; verbo no plural quando o substantivo está no plural:



  • A pesquisa indica que 10% da força feminina trabalha à noite.
  • O prefeito assegura que 70% dos moradores terão saneamento básico.
  • Registrou-se que 20% da população estava acamada e os 80% restantes estavam sadios.
Quando não existe um substantivo explícito, é preciso fazer a concordância com o número percentual:



  • Concluo que 36% são inativos.
  • Apenas 1% votou a favor do casamento homossexual. 

Observe a coerência quando usar verbo com particípio (locução verbal passiva). Em outros termos: respeite a concordância nominal – feminino com feminino, plural com plural etc.:



  • 50% da comunidade foi invadida.
  • 90% das mulheres pesquisadas são analfabetas.
  • Até 10% da mata pode ser queimada.
  • Só 50% dos dados foram tabulados.

Se você não usar a fórmula acima, preferindo concordar com o número e não com o substantivo, leve o particípio para o masculino plural:

  • 50% da comunidade são semi-alfabetizados.
  • Dizem que 10% do terreno foram invadidos.

ARTIGO OITAVO, ARTIGO VINTE


Vários leitores perguntam como se faz a leitura de números em referências legais e outras.


Quando se trata de artigos e parágrafos de leis, decretos, regulamentos e atos do gênero, usa-se o numeral ordinal de 1 a 9 (caso de um só dígito) e o cardinal de 10 em diante (isto é, a partir de dois dígitos). Ex.: Art. 1º  (primeiro), art. 19 (dezenove), parágrafo 2º (segundo), § 10(dez).


No caso de título, seção e inciso, que são escritos em algarismos romanos, e de capítulo – seja em algarismo romano ou arábico, como numa tese ou livro –, quando o numeral vem depois do substantivo faz-se a leitura em cardinal, como se houvesse a palavra "número" entre eles: Título [nº] I (um), Seção VIII (oito), inciso XII (doze), inciso III (três), Cap. IX (nove), capítulo [nº] 20 (vinte).


No caso de reis, imperadores, papas e séculos, em que a ordem de sucessão é redigida com algarismos romanos, há uma pequena divergência em relação ao número 10. Embora os livros de gramática proponham a leitura em ordinal até 10 inclusive, na prática também se ouve o cardinal dez, como nos artigos de lei. Exemplos: D. Pedro I (primeiro), Luís VIII (oitavo), Papa Leão III (terceiro), Luís XIV (catorze),Papa João XXIII (vinte e três), séc. XIX (dezenove), Seminário São Pio X ( Pio décimo ou Pio dez)



Fonte: www.linguabrasil.com.br

FRASES ILUSTRADAS

quarta-feira, 1 de julho de 2020

Todo o conhecimento humano começou com intuições, passou daí aos conceitos e terminou com ideias. (Immanuel Kant)

LUGARES

RIBEIRÃO DAS PEDRAS - JARAGUÁ DO SUL

O ANALISTA DE BAGÉ

OUTRA DO ANALISTA DE BAGÉ

Contam que os métodos pouco ortodoxos do analista de Bagé (embora ele diga que é “mais ortodoxo que caixa de maisena”) têm levado uma multidão de pacientes a procurá-lo. Ele foi obrigado a fazer uma triagem na sua clientela. Instruiu sua recepcionista Lindaura (“uma chinoca que eu estava criando mas passou do ponto”) a cortar os complexos menores, inclusive todos os de inferioridade e “os Édipos de ambulatório”. Só aceita casos difíceis pois, como diz, “cavalo manso é pra ir a missa”. Foi o caso daquele estancieiro rico que já entrou dizendo:

- Meu caso é de esquizofrenia, doutor.

- Oigalê! Já vi que o índio velho é dos que lê bula. Essa palavra eu só aprendi a dizer dois dias antes da formatura. Mas se abanque, no más.

O estancieiro se deitou no divã coberto com um pelego. O analista começou a limpar as unhas do pé com um facão. Falou:

- Quer dizer que o amigo está com esquizofrenia.

- É.

- Da braba?

- Da braba.

- Como se manifesta a bicha?

- Personalidade dupla doutor. Um dia eu sou um, no outro eu sou outro.

- Sei.

- Um dia sou alegre, bonachão, mão aberta. No outro sou carrancudo, brigão e não abro a mão nem pra espantar mosca.

- Mas que coisa.

- Eu tenho cura, doutor?

- Bueno. Vai ser um tratamento mais comprido que bombacha de gringo.

- Tudo bem.

- Mais caro que argentina nova na zona.

- Não me importo.

- Já vi que o amigo está nos seus dias de cordeirito.

- É...

- Lindaura!

- Chamou?

- Prepara a conta que o índio velho aqui vai pagar adiantado.

O estancieiro começou a levantar para protestar mas o analista de Bagé o mandou de volta com um cabeçaço. E avisou.

- Se contá pro outro, te capo. (VERÍSSIMO, Luis Fernando. O Analista de Bagé, Porto Alegre : L&MP Editores, 1995, p. 60)

FRASES ILUSTRADAS

terça-feira, 30 de junho de 2020

3 MESES DEPOIS...

3 MESES DEPOIS...

É incrível como algumas coisas mudaram tanto em tão pouco tempo.

Há 3 meses: a melhor passagem é a que permite despachar mala sem custo.

Agora: a melhor passagem é a que permite remarcar a data sem custo.

Há 3 meses: o melhor hotel é o que tem comércio, restaurantes e metrô à porta.

Agora: o melhor hotel é o que está no meio do mato, sem nada por perto.

Há 3 meses: é muito longe! São 3 horas de carro!

Agora: é bem pertinho! De carro a gente não leva nem 8 horas para chegar.

Há 3 meses: que saco exigirem certificado de vacina contra febre amarela para viajar...

Agora: poxa, quando é que vão aceitar atestado negativo de covid para viajar?

Fonte: Blog Viagemnaviagem
A função da oração não é influenciar Deus, mas especialmente mudar a natureza daquele que ora. (Soren Kierkegaard)

LUGARES

EMBAIXADA DA FRANÇA - VIENA

AS DIABAS CATARINENSES

Charge de Gerson Kauer
Transitou em julgado em Florianópolis (SC) a sentença que suspendeu venda, distribuição e veiculação do filme erótico “As Diabas Catarinenses". O julgado também condenou uma produtora amazonense a pagar R$ 10 mil porque "cenas da película erótica foram gravadas no interior de uma casa de veraneio, em praia do sul da Ilha de Santa Catarina, sem a autorização do seu proprietário". 

Na Internet, a publicidade sobre o filme anunciou que "as Diabas Catarinenses estão todas loucas de tesão e querem saciar seu desejo por homens de ..." (impublicável). Ainda propagou que "muitas garotas safadas fazem sexo de todas as formas e mostram toda sua volúpia em meio a cenas que mostram a beleza de Florianópolis".

Alertado por amigos de que as cenas tinham sido gravadas (fora do verão) em sua casa de veraneio, o proprietário do imóvel - um empresário argentino - obteve uma cópia, assistiu as imagens, viu o desempenho das oito "diabas" e seus três parceiros e sentiu o constrangimento em ter sua casa violada e exposta neste tipo de filme. Por isso, ingressou na justiça.

A antecipação de tutela foi deferida para a suspensão da distribuição do filme e o recolhimento das cópias já comercializadas. A empresa alegou que fez as filmagens "mediante autorização de um representante do proprietário". Este era o caseiro, incumbido de, simplesmente, zelar pelo imóvel fora da temporada.

Na instrução, a produtora das imagens não conseguiu comprovar que tivesse recebido regular autorização para as filmagens.

Segundo a sentença, "a empresa – experiente no ramo da pornografia – deveria ter se cercado de maiores cuidados ao escolher o local das filmagens, providenciando, inclusive, contrato de locação por escrito com o suposto administrador". 

Observadores ficaram abismados com o desempenho de Tati, Thais e das duas Vanessa. E se espantaram com a dimensão exibida por Don Picone, o principal ator masculino. O dono da residência violada pelas oito "diabas" e seus três parceiros está, até agora, querendo cobrar o valor da indenização. 

A empresa murchou - ninguém mais sabe dela, ninguém viu. A fase de cumprimento de sentença vai prosseguir via edital.

Fonte: www.espacovital.com.br