sexta-feira, 25 de agosto de 2017

SE CABRAL SAÍSSE ÀS RUAS

Ruy Castro


Pena o ex-governador Sérgio Cabral estar atrás das grades e sem perspectiva de sair tão cedo. Se pudesse deixar a prisão nem que fosse por algumas horas e dar umas voltas pelo Rio, poderia observar em pessoa alguns efeitos que sua administração provocou na cidade que tantas vezes o elegeu. Embora esteja preso há apenas nove meses, Cabral não teria como ignorar as alterações em relação ao tempo em que ainda podia circular pelas ruas.

Ele estranharia a quantidade de placas de aluga-se, passo o ponto ou de liquidação para entrega das chaves nas fachadas dos prédios. Talvez não entendesse a proliferação de certo comércio informal em esquinas em que, até há pouco, isso seria impensável. Nunca houve, por exemplo, tanta gente vendendo livros e discos na calçada, nem roupas velhas, tipo brechó, e, agora, uma novidade: homens bem vestidos vendendo quentinhas, estocadas em carros estacionados.

E talvez Cabral se surpreendesse ao saber dos 4.154 estabelecimentos fechados e 2.062 empresas extintas apenas no primeiro semestre deste ano, incluindo até lojas de móveis, de vestuário e restaurantes que ele costumava frequentar. Algumas dessas grifes tinham mais de 60 anos —já existiam antes de ele nascer— e uma brava história de sobrevivência às crises do Brasil. Mas não sobreviveram a mais uma crise, agravada pela sua administração.

Cabral não pode nem alegar que só fez o que Lula e Dilma fizeram no plano federal: quebrar o Estado ao desobrigar empresas de pagar tributos —as famosas desonerações. Fez isto e mais, arriscando-se, como se sabe, a morrer com a boca cheia de diamantes.

Aliás, não lhe falem de Lula e Dilma. Réu em tantos processos na Lava Jato, ele não recebeu até agora nem uma palavrinha de apoio de seus padrinhos de recasamento com Adriana Ancelmo em 2010.

Fonte: Folha de S. Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário