quinta-feira, 2 de março de 2017

NÃO TROPECE NA LÍNGUA


ISSO A GENTE JÁ SABE – CONCORDÂNCIA
--- Ministro treinamentos e venho, há algum tempo, alertando meus alunos a não utilizarem com tanta frequência a expressão a gente, apesar de ser abusivamente utilizada pelos meios de comunicação, jornalistas e apresentadores. Exemplo: A gente se vê amanhã. / A gente tem envidado esforços para diminuir a violência. / A gente acha que está certo. No Aurélio lê-se: “quantidade maior ou menor de pessoas indeterminadas”. É incorreto usar o termo? Se positivo, qual argumentação posso utilizar? Roseana, Joinville/SC
--- Gostaria de informação onde empregar corretamente: a gente vai..., a gente vamos... Karla Salvador, São Paulo/SP
--- No Brasil se usa a expressão a gente todo o tempo. Queria saber como fica a questão do adjetivo depois de a gente. A frase “A gente fica cansada com tanta pergunta!” estaria correta mesmo se o sujeito fosse um homem? O que se ouve dos homens é “A gente fica cansado...” Mônica K. Sant’Anna, São Paulo/SP
Usar a gente como variante de nós é de fato muito comum em nosso país. Trata-se da expressão comunicativa de um “eu ampliado” [eu + você(s), eu + ele/ela(s), eu + todos], classificado como “pronome pessoal” pelos gramáticos Celso Luft e Napoleão Mendes de Almeida; outros o consideram um pronome de tratamento ou indefinido. Nesse ponto pode não haver concordância, todavia é senso comum que o uso de “a gente” deve ser evitado na linguagem formal (ensaios, discursos, teses, dissertações etc.) e abolido de todo na linguagem técnica (uma lei, por exemplo). 
Quando for usado coloquialmente, deve-se atentar para sua concordância:
1. o adjetivo concorda com a pessoa que fala:
- a gente fica aborrecida e está cansada de ouvir isso (mulher falando) 
- a gente fica aborrecido e está cansado de ouvir isso (homem falando) 
2. o verbo fica sempre no singular:
- a gente vai (e não “a gente vamos”), a gente sabe, a gente se interessa, a gente entende...
No entanto, admite-se o verbo na 1ª pessoa do plural quando ele vem na sequência mas distante da palavra “gente”, exatamente pela pluralidade que o falante deseja transmitir: “A gente conversou com o diretor, porém acabamos não pedindo nada, ficamosa ver navios”. 
Na era Lula da Silva esse emprego tem se disseminado, já que em seus muitos improvisos o Presidente usa intensivamente a forma “a gente”, por sinal detectada também nos falantes de maior escolaridade.
Vários linguistas têm se ocupado da alternância das formas nós e a gente no português brasileiro. Foi com pessoas de formação universitária completa nas cidades de Salvador, Rio de Janeiro e Porto Alegre que a professora Célia Regina dos Santos Lopes, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, realizou pesquisa intitulada “Nós e A Gente no Português Falado Culto do Brasil”. Eis algumas de suas observações e conclusões:
# Há uma diferenciação no emprego de nós e a gente em relação a um uso mais restrito ou mais genérico. Houve maior favorecimento da forma nós nas situações em que o falante expressa sua opinião pessoal. Ao utilizar a gente, o falante se descompromete com o seu discurso, comentando assuntos gerais e não particulares. Na referência a um grupo grande de pessoas, indeterminado e difuso, prefere-se a gente.
# Os falantes jovens empregam mais a gente e os falantes idosos, a forma nós. Os adultos com formação universitária completa estão utilizando as duas formas.
# As mulheres tendem a usar mais a forma a gente do que os homens, e são elas que, “através da escola básica e da família, conduzem os membros da sociedade aos primeiros contatos com a linguagem, iniciando o processo de mudança linguística”.
Fonte: www.linguabrasil.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário