terça-feira, 13 de setembro de 2016

ROMANCE FORENSE

Os cupins da desordem

Era início de 2007. Poucas semanas depois de assumir a presidência da OAB-RS, o advogado Claudio Lamachia fez, ao então recém presidente eleito da OAB nacional, o sergipano Cezar Britto, um convite para que viesse conferir o orgulho que a advocacia gaúcha estava sentindo pela chegada dos novos tempos.

Mas o convidado foi alertado para que, em contraste, se preparasse “para conhecer uma sede suja e degradada” na literal e também figurada expressão das palavras.

Alguns dias depois, Britto esteve na velha sede da Rua dos Andradas, no calçadão de Porto Alegre. Já ao chegar, o visitante penou nos elevadores: todos estragados.

E, andar por andar, Britto foi vendo fios desencapados, processos empoeirados em salas e corredores, carpetes rotos, vidros sujos e cupins destruidores instalados em todos os cantos. Um caos!

Ao solicitar ao visitante que o Conselho Federal da OAB ajudasse financeiramente – na nova gestão da Ordem gaúcha e na recuperação da velha sede – Lamachia formulou um pedido testemunhado pelos demais participantes do encontro:

- Presidente Britto, peço-lhe respeitosamente que aceite levar, neste envelope bem fechado, algumas centenas ou milhares de cupins que foram recolhidos, minutos atrás, das esquadrias e móveis desta nossa devastada sede. E que, no recôndito do Conselho Federal, estes cupins da desordem possam servir como lembrete ao nosso pedido de ajuda financeira, para recuperar a velha sede, ou comprar uma nova.

Britto sorriu surpreso, acolheu o envelope, colocou-o na pasta e no dia seguinte se foi.

Algumas semanas depois, o Conselho Federal começou a ajudar na recuperação financeira da Ordem gaúcha, seguindo cronograma sugerido e gerido – com mãos de ferro – pelo tesoureiro Luiz Henrique Cabanellos Schuh, o ´homem do cofre´. Deste, meses depois de iniciado o saneamento financeiro, foi o sinal verde:

- Vai dar para comprar uma nova sede!

Em junho de 2009, dois anos e alguns meses depois, a OAB-RS inaugurou suas novas instalações, importante marco de sua maior conquista, que foi o resgate da auto-estima da advocacia gaúcha.

Cezar Britto estava presente à inauguração e discursou lembrando as condições anteriores. E, num gesto marcante, tirou do bolso, devolvendo a Lamachia, aquele mesmo envelope contendo - já secos ou desintegrados – as centenas ou milhares de cupins.

- Isto simboliza a mudança e a conquista do novo prédio – disse o então presidente da OAB nacional.

Os cupins foram, mais tarde, transferidos para um lacrado vidrinho de cor âmbar e se transformaram num discreto mas perene talismã que repousa na terceira gaveta do birô de Lamachia.


Assim se conta como os cupins da desordem tenham se transformado em cupins da ordem. 

Fonte: www.espacovital.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário