terça-feira, 28 de abril de 2020

ÍNTIMOS, MAS NEM TANTO

ÍNTIMOS, MAS NEM TANTO

O cenário é a Justiça do Trabalho, numa cidade do Vale do Sinos. Reclamante e testemunha são, ambos, afro-descendentes - altos e fortes. Mas, percebe-se, são pessoas culturalmente toscas.

A magistrada inicia a qualificação da testemunha, quando o advogado da reclamada apresenta a contradita, alegando amizade íntima entre aqueles dois.

A juíza visando esclarecer, pergunta à testemunha se esta "era amigo do reclamante, se visitava sua casa, se tinham hábitos comuns, tais como chimarrear ou churrasquear juntos".

A testemunha balança a cabeça num sinal de afirmação. A magistrada complementa a indagação:

- Quer dizer, então, que vocês são íntimos?

A testemunha chateada levanta-se da cadeira e, feições contrafeitas, ergue a voz, mas maneia a cabeça reverencialmente:

- Pois olha ´dotôra´, a gente somos amigos, mas também não desse jeito que a senhora tá pensando! Basta olhar pra mim e pra ele também - diz apontando para o reclamante.

Todos caem na gargalhada e a juíza, com a face ruborizada, pede que os presentes se recomponham e passa a explicar a expressão usada à testemunha, que ainda não entendia o que estava acontecendo. 

O depoimento então é tomado na condição de informante. 

Fonte: www.espacovital.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário